Via Aérea Pediátrica

Via Aérea Pediátrica

Via Aérea Pediátrica

Essa área da Otorrinolaringologia diz respeito à doenças que dificultam a respiração da criança, que pode estar relacionado à faringe, laringe, traquéia e brônquios.

Laringe

Existem várias alterações na laringe que podem produzir dificuldade respiratória na criança. Desde má-formações congênitas até patologias adquiridas.

O bebê ruidoso, que apresenta ronco e/ou estridor, que implica em sono agitado, dificuldade para mamar, também deverá ser avaliado pela nossa equipe.
Os casos que respiram por traqueostomia, devem ser cuidados por nós, desde o momento do procedimento da traqueostomia. Temos como lema tratar a via aérea sempre. Mesmo que seja colocado uma traqueostomia, a laringe e/ou traquéia devem ser tratadas, para seguirmos em busca da retirada da traqueostomia.

Distúrbio da Deglutição

A deglutição é uma função que depende da integridade anatômica da boca, lábios, músculos mastigatórios, dentes, língua, faringe, laringe e esôfago. Se ocorre alteração anatômica nestas estruturas e/ou comprometimento neuromuscular, essa função pode ser prejudicada. A deglutição é composta por fases: oral, faríngea, laríngea e esofágica. Comparamos com um dominó empilhado, se a primeira peça cai, derruba todas as outras. Isso significa que se ocorrer comprometimento de uma fase, todas as outras estarão também comprometidas.

O volume total de saliva em crianças de 5 anos é em torno de 500ml/dia, enquanto um adulto pode produzir 1-2l/dia.

Se não deglutida, essa saliva pode ser broncoaspirada.

A criança precisa ser avaliada por um grupo de especialistas, como: pneumologista, gastroenterologista, fonoaudióloga, otorrinolaringologista e pediatra.

Os exames mais utilizados para avaliação, são:

1 – Endoscopia Tripla

Consiste na realização de três endoscopias necessárias para diagnóstico. São realizadas em conjunto pela equipe de Broncoscopia e Otorrinolaringologia do Programa da Via Aérea, juntamente com a Equipe de Endoscopia Digestiva. Dessa forma, é feita a Videonasolaringobroncoscopia flexível, Videolaringobroncoscopia rígida e a Endoscopia Digestiva, sob anestesia. A Endoscopia Digestiva avalia toda a anatomia do esôfago, estômago e duodeno. Nesse momento, podem ser feitas biópsias para diagnóstico de esofagites de refluxo e eosinofílicas. Assim como avaliar integridade e troca de tubos de gastrostomias.

Enquanto isso, a via aérea pode ser avaliada pela broncoscopia flexível e rígida, de forma dinâmica, permitindo o topodiagnóstico da obstrução e o diagnóstico preciso das lesões do trato respiratório.

2 – Videoendoscopia da Deglutição

Esse exame avalia a deglutição de forma dinâmica, pelo nasofibroscópio flexível, com a criança acordada. É feito pelo Otorrinolaringologista da equipe da Via Aérea, juntamente com a fonoaudióloga, com o objetivo de complementar a avaliação clínica inicial, feita pela mesma. A grande vantagem desse exame é permitir a visibilização direta da orofaringe, hipofaringe e laringe durante a deglutição, permitido portanto, avaliar estase de alimento, penetração e aspiração do alimento na via aérea. Exame gravado em sistema de vídeo, para reanálise posterior.

3 – pHmetria do esôfago e ImpedanciopHmetria

São exames utilizados para diagnóstico de refluxo laringofaríngeo e gastroesofágico. Consistem na introdução no esôfago de uma pequena sonda, que permanece por 24 horas. Essa sonda apresenta sensores de pH em vários pontos, dessa forma, é possível saber se houve refluxo ácido do conteúdo gástrico, o que pode piorar lesões laríngeas.

4 – Videodeglutograma

Esse exame complementa a videoendoscopia da deglutição citada acima. É feito sob radioscopia, com gravação em vídeo, juntamente com a equipe de fonoterapeutas especializadas em deglutição infantil. Analisa a deglutição de bário em várias consistências. Dessa forma, permite visualizarmos o trânsito do alimento desde a cavidade oral até o intestino. Nos dá informações da manipulação do alimento na cavidade oral, movimento da língua, presença ou não de resíduos na hipofaringe, penetração e aspiração para a via aérea, trânsito esofágico, refluxo, esvaziamento gástrico.

5 – Tomografia Computadorizada de Tórax

É um exame complementar que pode ser realizado para avaliar o parênquima pulmonar e diagnosticar o grau de alterações produzidas, cronicamente, por broncoaspiração salivar.